E aí jogadores!? Houve um tempo em que as empresas fabricantes de consoles estampavam em suas caixas, manuais, outdoors e propagandas o quanto o seu sistema de entretenimento digital era mais poderoso que o da concorrência usando a terminologia BIT.

É, hoje em dia ninguém sabe quantos bits tem seu console. O que vale para muitos é se um jogo roda em 1080p ou 900p… Uma pena. Nos anos de 1988 é lançado no japão pela SEGA (Service Games, para quem não sabe) o Mega Drive, console de jogos de “gráficos de alta definição” com um logo 16 BIT gigante estampado na parte superior do console, próximo da abertura da entrada de cartuchos, sim CD era coisa de música e no japão!

megadrive

A Sega fazia questão de deixar isso claro pois o concorrente, o NES, tinha apenas 8 BIT, entenderam? A partir daí todos passaram a usar essa terminologia de potência, continuando com o Super Nintendo, 3DO (32 BIT), Sega Saturn (32 BIT), PlayStation (32BIT), Nintendo 64, entre outros. Porém em 1990, mesmo ano de lançamento do Super Nintendo japonês (Super Famicom), uma empresa nipônica chamada SNK (Shin Nihon Kikaku, ou “Projeto Novo Japão”) lança em terra natal o Neo Geo AES (Advanced Entertainment System), console baseado em cartuchos do tamanho de um ipad e da espessura de um caderno de 10 matérias.

Sim, o cartucho era gigante, e ainda tinha duas fileiras de conectores, e daí? Todo mundo assoprava do mesmo jeito. Bom, o console era idêntico ao Neo Geo Arcade MVS (Multi Video System) e seus jogos são cultuados até hoje como referência em jogos de luta 2D. Ok, todos que jogaram Neo Geo na época sabem disso, porém poucos sabem quantos BIT ele tinha.

É, na geração que achava que usar a nomenclatura BIT era importante, existia uma empresa que se preocupava com qualidade. Sim, e finalmente, quantos BIT ele tinha? Calma, vamos chegar lá. Todos sabem que mesmo sendo lançado na mesma época do Super Nes, o Neo Geo tinha uma qualidade incomparável. Como a SNK fez isso? Simples, ela uniu o processador do Mega Drive (16 BIT) com 50% de overclock com o do Master System (8BIT) e encheu o console com 7 Mega de RAM. Sabe o que são 7 Megas de Ram em uma época na qual os concorrentes usavam 128 kbyte? Absurdo. Mas tem outro fator de sucesso: Os desenvolvedores eram apaixonados pelo o que faziam. Inclusive, poucos sabem disso, são as mesmas pessoas que criaram o primeiro Street Fighter e o Street Figther IV, sabiam? Voltando, como o console tinha um processador de 16 BIT e outro de 8 BIT, a empresa de Osaka poderia muito bem usar isso como marketing afirmando que possuía 24 BIT, como fez a ATARI com o Jaguar (possuía 2 processadores de 32 BIT e não 64), porém o que mais importava para a SNK era a qualidade dos jogos e a diversão que eles proporcionavam. Então, vamos deixar de lado a quantidade de pixels das nossas tvs ou óculos virtuais, tempo de carregamento e quantos teraflops nossos consoles atuais processam por segundo, mesmo não usando os “incríveis cartuchos” do Neo Geo vamos nos divertir com os nossos consoles.

Viva a concorrência!

One thought on “Geração 24 bit

  1. Gostava muito dessa época. O objetivo era se divertir, mesmo tendo que assoprar o cartucho ou fazer exercício com o seu peso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Website